domingo, 16 de outubro de 2011

GIBRAN KHALIL GIBRAN

"Quando o amor te acenar, segue-o, ainda que por caminhos ásperos
e íngremes. E quando suas asas te envolverem, rende-te a ele, ainda que
a lâmina escondida sob suas asas possa ferir-te.
E quando ele te falar, acredita no que ele diz, ainda que sua voz possa
destroçar teus sonhos, assim como o vento norte açoita o jardim.
Pois, se o amor te coroa, ele também te crucifica.
Se te ajuda a crescer, também te diminui.
Se te faz subir às alturas e acaricia teus ramos mais tenros, que
tremem ao sol, também te faz descer às raízes e abala a tua ligação
com a terra. Como os feixes de trigo, ele te mantém íntegro.
Debulha-te até que fiques nu. Transforma-te, retirando a tua palha.
Tritura-te, até que estejas branco. Amassa-te, até que te tornes
macio; e então te apresenta ao fogo, para que te transformes em pão,
no banquete sagrado de Deus. Todas essas coisas pode o amor
realizar, para que saibas dos segredos do teu coração, e com esse
conhecimento sejas um fragmento do coração, da vida..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para Aldo Fornazieri, 'convulsão social já está ocorrendo'

Crise Na opinião de professor de Filosofia Política, "Temer está dando uma aula de como os profissionais de uma quadrilha reagem co...

Tornar a ver