domingo, 13 de novembro de 2011

O Redentor

Herman Hesse





Sempre e sempre retorna feito homem,
fala a devotos e a surdos ouvidos,
chega-se a nós e já de novo some.

Sempre e sempre sozinho Ele conduz
as misérias e anelos dos irmãos,
e sempre acaba pregado na cruz.

Sempre e sempre se faz proclamar Deus:
quer que o espírito domine a carne
e que à terra venha o reino dos céus.

Sempre e sempre, nestes dias ainda,
de passagem, o Salvador redime
nossas angústias, queixas e perguntas

- com seu olhar de bem-aventurança
que nem ousamos nós retribuir,
pois só o encaram olhos de criança.

(tradução de Geir Campos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JORGE DONN - Bolero de Ravel