sábado, 25 de julho de 2015

CartaCapital acusa Gilmar Mendes de receber dinheiro do Valerioduto

CartaCapital acusa Gilmar Mendes de receber dinheiro do Valerioduto

Nome do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que está prestes a julgar o caso do “mensalão”, consta da lista de beneficiários publicada pela revista. Ele teria recebido R$185 mil da campanha de c em 1998.
A reportagem principal da revista CartaCapital desta semana, que foi às bancas na sexta-feira, dia 27, coloca Gilmar Mendes, membro da mais alta corte do País, em suspeição. Numa lista divulgada pela publicação com os nomes dos beneficiários do caixa 2 da campanha da reeleição de Eduardo Azeredo para o governo de Minas Gerais em 1998, esquema operado pelo publicitário Marcos Valério, consta o do ministro do STF, além de grandes empresas, governadores, deputados, senadores, prefeitos e até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Segundo a reportagem, “há um abismo entre a contabilidade oficial e a paralela”. Azeredo declarou à época ter gasto R$8 milhões na campanha. Mas na documentação assinada a registrada em cartório, o valor chega a R$104,3 milhões. Desse dinheiro, R$185 mil teria ido parar nas mãos de Gilmar Mendes. Um pacote com os documentos de quase 30 páginas, que contam com a lista em ordem alfabética e os comprovantes bancários, foi entregue na quinta-feir, dia 26, à Polícia Federal de Minas Gerais, à delegada Josélia Braga da Cruz.
Os pagamentos foram feitos pela empresa SMP&B Comunicação, de Marcos Valério, por meio do Banco de Crédito Nacional e do Banco Rural, cujos diretores são réus do “mensalão”, processo que começa a ser julgado no mo dia 2 de agosto no STF, inclusive por Gilmar Mendes. O repasse de R$4,5 milhões a Azeredo, “com autorização” dos coordenadores financeiros da campanha – Cláudio Roberto Mourão e Walfrido dos Mares Guia – teve como origem o Banco do Estado de Minas Gerais, o Banco Rural, as estatais Comig (atual Codemig) e Copasa, a Loteria Mineira e as construtoras Andrade Gutierrez e ARG, de acordo com o documento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Apelação no Novo CPC: o que mudou?

                                                                                              v Apelação no Novo CPC: o que mudou? ...

Tornar a ver