domingo, 13 de janeiro de 2013

Largo da Palma

(evangelista da silva) Tarde de sábado... O silêncio mistura-se ao passado Que ainda vive na simplicidade dos casarios A mais pura e doce harmonia... A preguiça das ladeiras... O acanhamento das calçadas... Tudo são marcas de outrora... Por essas ladeiras negros subiram e desceram como burros maltratados... No vai-e-vem de sofrer e cansaço, pisando nessas pedras em pés descalços, Brotaram calos e mais calos - nos pés e alma. Doce injustiça... Observe em sua volta. E observe com carinho... De um lado, Roma ergue-se envergonhada; D'outro, o Instituto de Letras caindo aos pedaços - entrega-se a velhice em desespero... Além, lá no alto, lá em baixo, puteiros desmoronam-se em prantos... É a antítese da vida: humanos abandonados; desamor, luxúrias, encantos, injustiça e desencantos... Aqui, no barzinho da esquina, tudo se confunde: Samba, cachaça, Roma, bichas, capitalistas, senhoras e Putas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para Aldo Fornazieri, 'convulsão social já está ocorrendo'

Crise Na opinião de professor de Filosofia Política, "Temer está dando uma aula de como os profissionais de uma quadrilha reagem co...

Tornar a ver