domingo, 2 de abril de 2017

Distracções durante a actividade sexual. O foco é nos estímulos


Link:

Ana Alexandra Carvalheira
AMOR E SEXO

Desenvolver essa capacidade de estar completamente presente e ligado à experiência é absolutamente relevante para o prazer sexual.

As Neurociências já mostraram que ser multitasking, ou seja, ser capaz de fazer várias coisas ao mesmo tempo, é uma capacidade que as mulheres conseguem melhor do que os homens. Contudo, esta habilidade tem um preço, que é a dificuldade de concentração. E isto também se faz notar a nível sexual.
Assim, falamos de distracção cognitiva durante a actividade sexual, quando surgem pensamentos involuntários sobre os mais variados temas. Estes pensamentos podem ser sobre o medo de falhar, de não agradar, de não ser suficientemente atraente, de não estar a fazer as coisas certas, ou podem estar relacionados com outros assuntos completamente fora do âmbito sexual como por exemplo, um problema no escritório, a reunião com o chefe no dia seguinte, a lista do supermercado, ou o trabalho de casa dos filhos. Estes pensamentos intrusivos durante o sexo parecem ganhar vida própria e acabam por impedir a concentração nos estímulos sexuais. A consequência disto é a dificuldade na excitação sexual e consequentemente no orgasmo e no prazer. O que observamos na práctica clínica é que esta distracção cognitiva durante o sexo é mais comum nas mulheres. Os homens têm mais facilidade de foco nos estímulos e quando se distraem com pensamentos invasivos, estes são sobretudo relacionados com a preocupação com a performance. Estarei a fazer bem? A erecção está suficiente?
É aqui que entra o mindfulness mas, primeiro apresentamos o conceito.
Practicar mindfulness é praticar um estado de atenção plena de uma forma especial: de propósito, no momento presente, sem julgamento e crítica. Mindfulness é quando uma pessoa se predispõe a estar presente e aberto à sua experiência sem julgamentos e exigência. A práctica de mindfulness permite uma maior consciência das sensações físicas e por isso conecta-nos com o corpo. Assim, quando persiste a dita distracção cognitiva que impede a atenção à experiência sexual em que se está envolvido, o mindfulness vem recolocar o foco da atenção nos estímulos eróticos absolutamente necessários ao processo de excitação sexual. Desenvolver essa capacidade de estar completamente presente e ligado à experiência é absolutamente relevante para o prazer sexual.
Quem pretende questionar-se e reflectir sobre a distração e capacidade de ser mindful durante a actividade sexual, participe no estudo que estamos a realizar sobre “Mindfulness e resposta sexual”. Clique aqui para participar
(A autora opta por escrever de acordo com a antiga ortografia)
Ana Alexandra Carvalheira
AMOR E SEXO

Ana Alexandra Carvalheira, professora e investigadora no ISPA. Realiza investigação na área da sexualidade, aliada à prática clínica que mantém desde 1997 como psicoterapeuta. É membro da International Academy of Sex Research, foi presidente da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica e tem dezenas de artigos publicados em revistas científicas internacionais. O que mais gosta, é do trabalho clínico com os clientes, onde mais aprende e de onde retira as questões que quer investigar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conheça um pouco do nosso cérebr...

Tornar a ver