quarta-feira, 12 de outubro de 2011

TARDE NOSTÁLGICA

A distância é imensa...
Se não houver distância, tenha certeza:
Não há saudade, meu caro amigo...
Aquele homem, já de idade, porém sempre novo
Caminha aos poucos para o ocaso...

Ainda é quente... bem quente. Mas é tarde...
Eu estou aqui, calma e pacientemente aguardando
O cochilar deste homem ao travesseiro macio das Montanhas...                                                                                                                  

Agora sim... a tarde se vai aos poucos esfriando,
E o meu coração aos poucos se vai me tornando mais e mais gelado
Ao sentir esta mortandade divinal!...

Meu Deus, esta música me mata, e aos poucos se me chegam
As recordações maiores
Que me invadem o ser por coisas desejáveis,
Coisas passadas...
De um verde de aroma agradável,
E lindas manhãs ensolaradas...
E belas tardes como estas que se me trazem vidas e recordações.

(evangelista da silva in Cantos e Lamentos de Um Poeta)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para Aldo Fornazieri, 'convulsão social já está ocorrendo'

Crise Na opinião de professor de Filosofia Política, "Temer está dando uma aula de como os profissionais de uma quadrilha reagem co...

Tornar a ver