quarta-feira, 12 de outubro de 2011

FIM DE TARDE COR-DE-ROSA

 

Salvador...
Av. Estados Unidos - 18 horas...
Tudo é agitado...
Homens correm neuroticamente
A fuga do progresso...
E sonham por um descanso ao longo da noite.

Desfilam os que oprimem
E vagueiam os oprimidos...
Loucos, enfermos e perdidos:
Meninos e Menininhas abandonadas...
- É uma miséria infinda estampada
Nas máscaras de um povo: o medo, a fome,
A doença, a desgraça e solidão
Misturam-se com a dor e sofrimento
Lamentados pelo badalar dos sinos de outrora...

E todos passam ansiosamente como quem busca a paz...
Passam moças feias e moças lindas - senhoras e prostitutas
E enquanto tudo se confunde neste mundo de tristezas,
Conflitos e desamor, aqui ao lado, beijando o Mercado Modelo,
O olho vivo em brasas de Javé se arreia saudosamente sobre
A fralda azul dos mares e oceanos - em mais uma despedida
Saudosa em tom de melancolia, esperança, compreensão e amor.

(evangelista da silva in Cantos e Lamentos de Um Poeta)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JORGE DONN - Bolero de Ravel