quarta-feira, 1 de junho de 2011

EROS X THANATOS
"Agora, penso eu,o significado da evolução da civilização não mais nos é obscuro.Ele deve representar a luta entre Eros e a morte,entre o instinto de vida e o instinto de destruição,tal como ela se elabora na vida humana.Nessa luta consiste essencialmente toda a vida,e portanto,a evolução da civilização pode ser simplismente descrita como a luta da espécie humana pela vida."
(fonte:O mal estar na civilização*Freud)

A sexualidade tem uma importância fundamental na Psicanálise,mas não tem um sentido restrito,ou seja,apenas genital.Tem um sentido mais amplo;toda e qualquer forma de gratificação ou busca do prazer.Então a sexualidade neste sentido amplo existe em nós desde o nosso nascimento.
A partir deste sentido amplo da sexualidade podemos entender os princípios antagônicos que fazem parte da TEORIA PSICANALÍTICA FREUDIANA..

Eros:do grego clássico:vida
Thanatos:do grego clássico:morte

Princípio do Prazer X Princípio da Realidade
Eros:ligado às pulsões de vida,impulsiona ao contato,ao embate com o outro e com a realidade.Sendo a vida tensão permanente,conflito permanente,
colocanos no interior de afetos conflitantes e pode não ser a realização do princípio do prazer.

Thanatos:é o princípio profundo do desejo de não separação,de retorno à situação interina ou fetal,quer o repouso,a aniquilação das tensões.Está vinculado às pulsões da morte;pois sómente esta poderá satisfazer o desejo de equilíbrio,repouso e paz absolutos.

Princípio do Prazer:é o querer imediatamente algo satisfatório e querê-lo cada vez mais.É a tendência que,em busca da descarga imediata da energia psíquica,não quer saber de mais nada,nem do real,nem do outro,nem mesmo da sobrevivência do própio sujeito.Não está necessáriamente ligado a Eros,mas de forma mais profunda a Thanatos;pois se o desejo do homem for o repouso,o imutável,a fuga do conflito,somente a morte (Thanatos) poderá satisfazer tal desejo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

José (Carlos Drummond de Andrade)

JOSÉ E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, você? você...