quarta-feira, 25 de maio de 2016

DPU COBRA NA JUSTIÇA CONCLUSÃO DE REFORMA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE SALVADOR

DPU COBRA NA JUSTIÇA CONCLUSÃO DE REFORMA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE SALVADOR

A unidade da Defensoria Pública da União em Salvador ajuizou ação civil pública com o objetivo de garantir a continuidade das obras do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (Hospital das Clínicas). Em 2011 foram iniciadas uma série de reformas para melhoria e ampliação do atendimento à população. Enquanto parte das reformas da instituição, vinculada à Universidade Federal da Bahia (UFBA), foi concluída com êxito, beneficiando o atendimento e a estrutura do hospital, outras obras foram paralisadas em virtude de suposta extinção do contrato com as empresas de engenharia.
Paralisadas desde 2013, as obras permanecem sem qualquer previsão de reinício ou de conclusão, impossibilitando a expansão do número de procedimentos médico-hospitalares, como internação, cirurgias e consultas, e prejudicando diretamente a saúde e a vida da população que depende da assistência do Sistema Único de Saúde na Bahia. Além disso, a interrupção das obras ocasionou o fechamento de diversos setores do hospital e a redução considerável no número de atendimentos. A população usuária do SUS sofreu com a redução de 35% no número de cirurgias realizadas, de 28% no número de internamentos em leitos integrais e de quase 40% na taxa de ocupação.
A demora na execução dos serviços de requalificação dos prédios tem gerado a judicialização de demandas relacionadas à saúde que visam a garantir a realização de exames e de procedimentos cirúrgicos, além de ocasionar a degradação de diversos aparelhos médicos que se encontram encaixotados e sem uso. Como exemplo, o complexo hospitalar dispõe, desde dezembro de 2011, de aparelho de ressonância magnética no valor de R$ 1.406.75,00 (um milhão, quatrocentos e seis mil e sessenta e cinco reais) que apenas aguarda a conclusão da reforma da sala para ser instalado.
Para a Defensoria Pública da União, em face de todos os prejuízos causados pela paralisação da reforma, se mostrou indispensável a interferência do Poder Judiciário para garantir o reinício das obras, por isso a iniciativa de apresentar a ação civil pública, ajuizada na última segunda-feira (22), de forma a assegurar a retomada dos serviços prestados à população. Segundo o defensor federal Átila Dias, as instalações do Hospital das Clínicas precisam estar prontas e disponíveis para o uso imediato dos usuários. “As faltas ou interrupções de obras e o seu retardo têm causado situações graves para a eficácia operacional dos procedimentos assistenciais”, afirmou.

2 comentários:

  1. OLÁ SENHOR JOSÉ EU NÃO ACREDITO MAIS NESSES POLÍTICOS, POIS ACHO UMA VERGONHA TUDO ISSO QUE A POPULAÇÃO ESTÁ PASSANDO, OUTRA COISA TEM MUITAS PESSOAS QUE NÃO TEM NEM LEITO PARA FICAR DEITADOS, OU ENTÃO MUITOS NÃO TEM NEM UM TROCADO PARA TOMAR UM CAFÉ... NA VERDADE ESTES POLÍTICOS APRENDEU FALAR MENTIRA RAPIDAMENTE SEM DIZER QUE ESTAMOS PRÓXIMOS AS GRANDES ELEIÇÕES ENTÃO ELES JÁ COMEÇAM FALAR MENTIRA,QUANTO TEMPO MESMO ELES LEVAM PARA FALAR E FAZER???, EU NÃO ACREDITO NELES MAIS E NEM A POPULAÇÃO...

    ResponderExcluir
  2. OLÁ SENHOR JOSÉ QUERO SABER SE O SENHOR SABE ALGUMA COISA SOBRE O ANDAMENTO DO DEPUTADO QUE NÃO ACEITA OS PROFESSORES FALAR SOBRE POLÍTICA EM SALA DE AULA COM OS ALUNOS.. O SENHOR TEM ALGUMA POSTAGEM PARA ME MANDAR? DESDE JÁ MUITO OBRIGADO POR POSTAR SOBRE ESTES ASSUNTOS EU AMO FALAR SOBRE POLÍTICAS OU ENTÃO RIR DAS MENTIRA DELES.. BOA NOITE.

    ResponderExcluir