domingo, 18 de setembro de 2016

Era, talvez...

Era, talvez...

Era, talvez... apenas a eloquência torpe dos pensamentos frágeis, Uma tolerância quase patética, dos sonhos não formados, A espera era dolorosa... O desejo incontido do começo, de um tempo preterido na memória, Um lugar indulgente, quase indevido, Tamanha era a busca.. Do tudo, Do agora, Oh lúgubre fantasia! Outrora madrugada fria, No plural dos momentos Hoje quem sabe... um leve contentamento Anã Elizabeth Baade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Manoel dos Santos Cruz

Manoel dos Santos Cruz A vida por sempre e para sempre é uma sacanagem de ma fé. Manoel dos Santos Cruz foi um amigo que pegou o t...