sábado, 14 de janeiro de 2012

DOR DE CABEÇA AFETA PRINCIPALMENTE AS MULHERES


Dor de cabeça afeta principalmente as mulheres
13/01/2012 21:07 por Esteta Beleza e Arte em Saúde e lida 10 vezes.

Dor de cabeça afeta principalmente as mulheres

Neurologista Cleverson de Macedo Gracia
Mais de 200 causas podem levar às dores de cabeça. As queixas são variadas e vão desde questões hormonais e o uso de contraceptivos à má alimentação e falta de exercício físico

  De acordo com os dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cefaleia e a Academia Brasileira de Neurologia, existem diversos tipos de cefaleias crônicas, que afetam mais de 20% da população. Porém, são as mulheres que mais sofrem com a dor: 60% delas possuem a doença e em mais da metade dos casos, o impacto da dor é de moderado a intenso. Segundo os especialistas, mais de 200 causas podem levar às dores de cabeça, entre elas: a má alimentação, a falta ou pouca atividade física, o estresse, e nas mulheres estão relacionadas as questões hormonais e o uso de contraceptivos. “A ações dos hormônios femininos potencializam o surgimento da enxaqueca. Além disso, não existem formas de prevenção, pois é hereditária”, afirma o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Cleverson Gracia.
  O médico ressalta que a consulta médica é fundamental para o diagnóstico e tratamento das doenças neurológicas. “Conforme o histórico de cada paciente e os sintomas apresentados é definido os exames e tratamentos adequados”, explica. As gestantes também devem redobrar os cuidados, pois a enxaqueca, diz Dr. Gracia, pode complicar durante a gravidez.
  Os sintomas mais comuns da enxaqueca entre as mulheres são: dor forte, latejante e unilateral. “Geralmente ocorre ainda a fotofobia (dificuldade de olhar para a luz), fonofobia (reação negativa a qualquer barulho), náuseas e vômito”, enfatiza. 
Já a dor de cabeça, dor contínua ou quase diária, ocorre em todas as idades, porém as mulheres jovens ainda são a maioria entre a população atingida. De acordo com o Dr. Gracia uma das maneiras de prevenir a doença é por meio das medicações. “Porém é necessário consultar um especialista para verificar a intensidade, frequência e fatores desencadeantes”, ressalta.
  O tratamento para a doença vai depender da causa. “Os remédios profiláticos, que evita sua propagação tem excelentes resultados. Sempre acompanhado de atividade física e mudança de hábitos de vida”, orienta o neurologista e acrescenta. “O segredo para evitar as crises sem medicação é não exagerar nas refeições, bebida, trabalho, estresse, estudo, exercícios, sono, chocolate, vinho e queijo, por exemplo”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para Aldo Fornazieri, 'convulsão social já está ocorrendo'

Crise Na opinião de professor de Filosofia Política, "Temer está dando uma aula de como os profissionais de uma quadrilha reagem co...

Tornar a ver