segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Jovens são as maiores vítimas de roubos e furtos

05 de janeiro de 2012 às 16:00
Comente agora
Artigos do prof. LFGManifesto pela Não-Violência

Jovens são as maiores vítimas de roubos e furtos

LUIZ FLÁVIO GOMES* 
Mariana Cury Bunduky**
Dentre os 8,7 milhões de pessoas (aproximadamente 5,4% da população residente no país com 10 anos ou mais de idade) que afirmaram já terem sido roubadas ou furtadas, na pesquisa Características da vitimização e do acesso à justiça no Brasil 2009, realizada pelo IBGE, 8,9% eram jovens e adolescentes, com idade entre 16 e 24 anos e 8,7% eram jovens, com idade entre 25 e 34 anos.
Só a partir dos 35 anos de idade os percentuais passaram a decrescer. Aqueles com 70 anos ou mais representaram o percentual menos expressivo de vítimas, apenas 5,2% do total.

No mesmo levantamento, constatou-se que os jovens e adolescentes estes com idade entre 16 e 24 anos de idade, foram também os mais frequentemente agredidos em 2009, representando 2,2% do total de pessoas com 10 ou mais anos de idade agredidas.
Espantosamente, os jovens e adolescentes, entre 15 e 29 anos de idade, também foram os mais assassinados em 2009, representando 54,1% do total de 51.434 de vítimas de homicídio, de acordo com os dados divulgados pelo Datasus (Ministério da Saúde) (Veja: Homens e jovens: Principais vítimas de homicídio no país e O extermínio da adolescência brasileira: 11 assassinatos por dia).
Dessa forma, assim como os homens, os mais pobres e os negros, os jovens representam uma parcela significativa de vítimas de graves crimes contra a vida, a integridade física e contra o patrimônio (Veja: 65,5% dos assassinados no Brasil são negros).
Um sinal de que a educação e a segurança nessa faixa etária, que vai da adolescência até a juventude adulta, deve ser priorizada nas políticas públicas de contenção da violência, vez que ali ela se inicia e ali atinge o maior número de vítimas.
*LFG – Jurista e cientista criminal. Fundador da Rede de Ensino LFG. Diretor-presidente do Instituto de Pesquisa e Cultura Luiz Flávio Gomes. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). Acompanhe meu Blog. Siga-me no Twitter. Assine meu Facebook.
**Advogada e Pesquisadora do Instituto de Pesquisa e Cultura Luiz Flávio Gomes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Juiz determina que urinar em vias pública não é crime

Juiz determina que urinar em vias pública não é crime Jornal do Brasil Em fevereiro a prefeitura do Rio, atravé...

Tornar a ver